share

COMPARTILHAR

29 de January de 2019

#Direitos Humanos

Por mais um ano, Brasil lidera ranking de homicídios de pessoas trans

Por mais um ano, o Brasil continua ocupando o primeiro lugar no ranking mundial de assassinatos de pessoas trans, segundo o último relatório da Trangender Europe (TGEU). O levantamento, divulgado pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), revela que, ao longo do ano de 2018, ocorreram 163 assassinatos de pessoas trans, sendo 158 travestis e mulheres transexuais,  quatro homens trans e uma  pessoa não-binária. De acordo com monitoramento feito pela associação, em apenas 15 casos, os suspeitos foram presos.  Os dados foram divulgados nesta terça-feira (29), Dia Nacional da Visibilidade Trans.

Embora o número de mortes ocorridas em 2018 ter sido inferior ao registrado em 2017, a Antra denuncia que houve um aumento de crimes não noticiados pela imprensa. O levantamento também trouxe números que reforçam questões de gênero: 97,5% dos assassinatos foram contra pessoas trans do gênero feminino (158 casos), um aumento de 3% em relação a 2017. 

Realizado pela ANTRA e pelo Instituto Brasileiro Trans de Educação, com o apoio de oito instituições nacionais e duas internacionais, o monitoramento de 2018 foi lançado nesta terça-feira, durante a VI Semana Nordestina da Visibilidade Trans, que é realizada no Recife até o dia 1º de fevereiro . O evento deste ano homenageia o ativista e escritor carioca João W. Nery, primeiro homem transexual a realizar a cirurgia de redesignação sexual no Brasil, em 1977.

Leia o dossiê completo: 
Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais  no Brasil em 2018