share

COMPARTILHAR

30 de May de 2019

#Educação

30M: estudantes e movimentos sociais se mobilizam pela educação

Esta quinta-feira, 30, é mais um dia de atos em todo o Brasil contra os cortes de verbas da educação realizados pelo governo Bolsonaro. Intitulada de 30M, a mobilização reúne estudantes, movimentos sociais, sindicatos e diferentes organizações. No Recife, um ato está programado para a partir das 15h, na rua da Aurora, na área central da cidade.

Os atos são contra os cortes de 30% dos recursos destinados às universidades e institutos federais, anunciados pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. As manifestações também querem mobilizar as pessoas para a greve geral do dia 14 de junho, contra a proposta de reforma da Previdência.

Na semana passada, no dia 15 de maio, atos levaram mais de 1,5 milhão de pessoas às ruas do Brasil em defesa da educação. Após isso, o governo comunicou que iria repôr R$ 1,58 bilhão nos investimentos da educação, mas os cortes ainda alcançam R$ 4,25 bilhões. 

Estudante da Universidade Federal de Pernambuco, Luana Karine da Fonseca Santos, de 18 anos, participou do último ato e pretende repetir o feito. Para ela, estar nas ruas é importante porque a educação é, antes de tudo, um direito.

"O Estado já não supre nossas necessidades como deveria e ainda quer sucatear a educação. Estar na universidade é a única oportunidade que muita gente vai ter na vida, e a maior parte delas mal tem condições de ir e vir todos os dias, quem dirá pagar por uma universidade particular?", avalia a estudante.

De acordo com dados do Censo da Educação Superior 2017, o Brasil tem 296 Instituições de Educação Superior (IES) públicas e 2.152 privadas.

"Lutar pela educação de qualidade é querer o bem do povo brasileiro e acreditar que o Brasil é um lugar para todos e todas.  É conhecer nossa história, é querer justiça. E justiça é paz, é terra, é educação, é saúde, é casa. Sem essa dimensão de justiça, a gente não vai conseguir viver numa sociedade democrática. Por isso que educação é um caminho para emancipação do povo de forma coletiva", defende a presidenta do MIRIM Brasil, Sylvia Siqueira Campos.

Ela cita uma frase do educador, pedagogo e filósofo recifense Paulo Freire sobre a educação. "Há uma frase de Paulo Freire que diz bascaimente assim: 'É na luta coletiva que construiremos a liberdade. A educação liberta".

Foto: Jonas Santos/Mídia Ninja